Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hoje venho aqui falar de mim

por Zzzzz, em 17.09.16

 Eu. Se me dão licença, hoje quero falar de mim. Não me considero importante, mas tenho as minhas importâncias. A sensação que tenho de mim, deste de quem quero aqui falar, é de que os outros não me chegam aos calcanhares. Não é que os considere inferiores, mas cada um deve saber e tratar da sua vidinha conforme pode, e eu cá achei uma maneira muito peculiar de tratar da minha.

Há coisas que me foram postas no berço, das quais não tenho culpa nenhuma e pelas quais nada fiz, mas que também nunca precisei. Desde o nascimento que sou um indivíduo dotado de talentos. Na escola as minhas grandes qualidades logo se revelaram e os meus bons professores só tiveram que as estimular. Embora soubessem do sangue que me corria nas veias, nunca lhe ligaram pevide, preferindo concentrar-se nos meus méritos inatos. Um gesto de grande nobreza.

Apostei numa formação universitária completamente alheia à ciência paterna. Ardia em mim mostrar o que valia e mostrei-o com uma perna às costas. Abracei uma profissão que me permitiu comer à mesa com a fina flor da sociedade. O que ela me dava, eu retribuia-lhe a dobrar. A minha natureza generosa, tornava a nata social ainda mais genuína. Entre elites uma mão lava a outra. A fama e o bom nome dos homens de sucesso, ao passarem pelo meu teclado, faziam-me cada vez maior. Imparável, apercebia-me a crescer muito para além de mim. Os espelhos onde me olhava só não se estilhaçavam porque eu sempre tive o cuidado de me afastar a tempo.

Sei que os tempos não estão para brincadeiras e sempre me avisaram que a política é um espaço de ingratidões. Uma seca, eu que o diga. Há ofensas que não mereço, que considero intoleráveis. Sinto os meus valores eternos a serem vilipendiados. Eu, filho do meu pai, com uma carreira profissional que se pode ver, a ser ignorado? Eles mal sabem o que eu sei, o que vi e lhes ouvi!

Ofenderam-me. Recuso-me a ser uma pessoa normal que fez o seu trabalho. Olho para a sociedade e não a consigo imaginar sem mim. Tenho imenso para lhe dar mas não me deixam. Abrirei um novo caminho. Com o meu livro „Eu E Os Podres Deles“ vou dar início à minha segunda vida. Uma garra destas não se dobra assim!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D